Internacional

A inteligência dos EUA alerta que a influência do Hamas aumentou desde o ataque a Israel


A inteligência dos EUA alerta que a influência do Hamas aumentou desde o ataque a Israel
(Foto Reprodução da Internet)

Uma série de novas análises realizadas pelas agências de inteligência dos EUA alertou que a credibilidade e a influência do Hamas cresceram dramaticamente nos dois meses desde o ataque terrorista de 7 de outubro e o início da resposta militar de Israel no Oriente Médio e em outros lugares.

Durante a intensa campanha aérea de Israel, muitos civis em Gaza foram mortos. O Hamas, rotulado como grupo terrorista pelos Estados Unidos e pela Europa, afirmou ser a única força armada a lutar contra a opressão brutal que mata mulheres e crianças.

Continua depois da publicidade

Autoridades familiarizadas com as diferentes análises dizem que o grupo posicionou-se com sucesso em algumas partes do mundo árabe e muçulmano como defensor da causa palestina e como combatente eficaz contra Israel.

O Hamas está ganhando mais poder devido a um terrível ataque que eles fizeram contra Israel em outubro. Esse ataque causou a morte de cerca de 1.200 pessoas, entre homens, mulheres e crianças. Os Estados Unidos defendem claramente o direito de Israel se defender após o ataque, incluindo sua campanha para acabar completamente com o Hamas.

Continua depois da publicidade

Da perspectiva do Hamas, o ataque de 7 de outubro ao sul de Israel foi um sucesso operacional impressionante. E nos meses seguintes, recebeu crédito ? especialmente na Cisjordânia ocupada ? por negociar a libertação de centenas de prisioneiros palestinos detidos por Israel, em troca de alguns dos reféns que o grupo mantém desde o ataque, dizem essas fontes.

Entretanto, os vídeos de propaganda do Hamas que retratam o grupo como combatentes altamente morais que seguem os ensinamentos do Islã ? apesar dos horríveis detalhes do ataque de 7 de outubro e das descrições de violência sexual contra mulheres israelenses relatadas por testemunhas oculares daquele dia ? juntamente com uma enxurrada de imagens devastadoras do sofrimento das pessoas em Gaza, se tornaram virais nas redes sociais árabes.

Antes de 7 de outubro, um líder da administração afirmou que o Hamas não era muito popular, mas agora é mais popular.

O conflito pode ajudar o Hamas a ganhar mais influência fora de Gaza do que dentro dela. Isso ocorre porque anos de má administração do Hamas resultaram em desconfiança interna.

Uma pesquisa realizada na primeira semana de novembro revelou que o apoio aos ataques de 7 de outubro foi maior entre os palestinos na Cisjordânia do que em Gaza – 68% contra 47%.

Embora a realização de pesquisas seja um desafio durante a guerra, uma vez que muitos habitantes de Gaza foram deslocados das suas casas devido aos bombardeios israelenses, essa conclusão foi repetida por outras sondagens.

As várias avaliações circularam dentro do governo dos EUA enquanto funcionários do governo Biden começaram a alertar publicamente que o número de civis mortos nos bombardeios israelenses corre o risco de aumentar ainda mais a popularidade do Hamas nos territórios palestinos e enquanto analistas alertam que o bombardeio pode servir apenas para inspirar mais terrorismo lá e no exterior.

“Nesse tipo de luta, o centro de gravidade é a população civil”, disse o secretário da Defesa, Lloyd Austin, no início deste mês. “E se você os levar para os braços do inimigo, você substituirá uma vitória tática por uma derrota estratégica.”

As autoridades estão observando de perto indicadores importantes que apontam para um aumento do apoio ao Hamas nos territórios palestinos e em outras partes da região.

Uma pesquisa realizada pelo Centro Palestino para Pesquisa de Políticas revelou que o apoio ao Hamas na Cisjordânia ocupada por Israel cresceu de 12% em setembro para aproximadamente 44% em dezembro. Na Jordânia, país com uma grande população de origem palestina, os manifestantes têm expressado apoio ao Hamas.

Agora, especialmente na Cisjordânia ocupada por Israel, o Hamas é cada vez mais “visto como o único grupo que realmente faz alguma coisa em relação à ocupação israelense”, disse Jonathan Panikoff, um ex-funcionário dos serviços secretos especializado na região.

Porém, autoridades dos EUA que combatem o terrorismo também estão preocupadas com a possibilidade de o sucesso do Hamas servir de inspiração para grupos terroristas em outros países.

O diretor do FBI, Chris Wray, informou ao Congresso que a agência está empenhada em identificar e desmantelar indivíduos inspirados pelo Hamas, que atuam sozinhos, trabalhando constantemente.

“Vejo luzes piscando em todo lugar para onde olho”, disse Wray.

Os colegas de trabalho do Wray, que aplicam a lei na Europa, também ficaram em alerta. Quatro pessoas suspeitas de serem membros do Hamas foram presas na Alemanha e na Holanda na semana passada, pois existe a suspeita de que estavam planejando ataques terroristas em locais judaicos na Europa.

Essas análises indicam que é muito difícil, ou até mesmo impossível, segundo alguns críticos de Jerusalém, a tentativa de Israel em “erradicar” o Hamas. O porta-voz do Departamento de Estado, Matt Miller, afirmou na semana passada que a liderança militar do Hamas pode ser derrotada, mas a ideia do Hamas não pode ser eliminada no campo de batalha.

Vários responsáveis dos EUA que falaram à CNN sobre as opiniões amplas da comunidade de inteligência sobre o apoio popular ao Hamas enfatizaram que é incrivelmente difícil medir a “influência”.

O funcionário experiente da administração percebeu que as avaliações passadas sobre um aumento na popularidade de grupos terroristas após grandes ataques não se mostraram duradouras. Um ponto importante para a comunidade de inteligência é saber por quanto tempo essa credibilidade aumentada vai durar.

Antes do dia 7 de outubro, parecia que o Hamas estava perdendo apoio político em Gaza, onde ele governa desde 2007.

Uma pesquisa finalizada em 6 de outubro mostrou de forma surpreendente que 67% dos palestinos em Gaza não confiam ou não confiam muito no Hamas. Isso pode ter sido um dos motivos que levaram o Hamas a realizar o ataque, de acordo com alguns analistas.

Os palestinos em Gaza achavam que a escassez de alimentos era principalmente culpa do Hamas, que governava lá, em vez de colocar a culpa no bloqueio israelense que limitava o fornecimento de alimentos desde 2007.

“Essa história é pouco conhecida”, disse Panikoff. “Alguns dados mostraram que o Hamas estava enfrentando problemas para governar em Gaza. Essa é uma tática antiga e comprovada de distração.”

Os analistas de inteligência dos EUA estão preocupados com o impacto que a abordagem de Israel ao conflito terá na opinião pública em Gaza, na Cisjordânia e em todo o mundo árabe e muçulmano.

Pesquisas passadas mostram que, em momentos em que Israel tem políticas mais rígidas em relação a Gaza, como durante ataques anteriores, o apoio ao Hamas cresce.

O secretário de Estado, Antony Blinken, acenou com a cabeça à pressão aplicada a Israel para parar a guerra, em oposição ao Hamas.

Fiquei surpreso porque muitos países estão pedindo o fim desse conflito, mas ninguém está pedindo ao Hamas que pare de se esconder atrás de civis e entregue as armas.

“Isto terminará amanhã se o Hamas fizer o que precisa fazer. Isso deveria ter acontecido há mais de um mês, seis semanas atrás, se o Hamas tivesse feito o que deveria. E como pode ser isso – por que o agressor não tem exigências e apenas a vítima é que tem?”

Até mesmo os opositores políticos do Hamas reconhecem que é improvável que a ideologia política do Hamas seja “derrotada”. Por isso, eles estão considerando a possibilidade de o Hamas seguir com algum poder no governo após o conflito em Gaza.

O primeiro-ministro palestino, Mohammad Shtayyeh, afirmou que é irrealista a meta de Israel de derrotar completamente o Hamas. Em vez disso, Shtayyeh propôs que o Hamas seja aceito como um parceiro júnior dentro da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) em um futuro sistema de governo pós-conflito.

O Hamas ganhou as eleições em 2006 em Gaza e na Cisjordânia, mas não concordou em formar um governo com o partido Fatah, que agora controla a OLP. Depois disso, o Hamas passou a controlar a Faixa de Gaza.

Há analistas do governo dos EUA que têm preocupação com as ações contínuas de Israel na guerra contra o Hamas. Essas ações incluem uma campanha aérea punitiva que, de acordo com o Ministério da Saúde palestino gerido pelo Hamas em Gaza, resultou na morte de quase 20 mil pessoas. Teme-se que isso possa, de maneira não intencional, legitimar o Hamas politicamente e também inspirar mais atos de terrorismo.

“Se os israelenses agirem, serão condenados, e se não agirem, também serão condenados”, disse Panikoff. “Isso pode resultar em mais terrorismo no futuro. Mas também não é razoável esperar que algum país aceite inação do seu governo depois disso”.


🔥 Recomendado para voçê 🔥