Internacional

Análise: A nova decisão do Colorado que parou Trump coloca o tribunal no centro do futuro do ex-presidente


Análise: A nova decisão do Colorado que parou Trump coloca o tribunal no centro do futuro do ex-presidente
(Foto Reprodução da Internet)

A Suprema Corte do Colorado decidiu que Donald Trump não pode participar das eleições do próximo ano por razões constitucionais. Essa decisão é um importante sinal de reprovação ao ex-presidente e uma forma de responsabilizá-lo pelos seus esforços para anular a eleição de 2020. Isso também afeta suas chances eleitorais para 2024, de uma maneira ainda mais significativa do que as quatro acusações criminais contra ele.

Embora a decisão de 4 a 3 do tribunal na terça-feira possa não levar, em última análise, à remoção do ex-presidente das urnas no Colorado ou em qualquer outro estado – devido aos recursos esperados –, a decisão coloca o país em território desconhecido, levantando a perspectiva chocante de que o candidato de um partido importante poderia ser impedido de exercer o cargo.

Este pode ser o fim de um ano repleto de acontecimentos surpreendentes envolvendo Trump, trazendo grandes desafios à democracia dos Estados Unidos em um conturbado ano eleitoral. O ex-presidente parece abraçar o caos político.

Após sair do tribunal, Trump tem adotado uma linguagem cada vez mais agressiva, discutindo a possibilidade de se tornar um ditador se retornar ao poder no próximo ano e atacando seus oponentes de uma forma que lembra a propaganda do regime nazista. Durante um evento em Iowa na noite de terça-feira, Trump repetiu seus comentários inflamados sobre imigrantes, rebatendo as críticas feitas pela campanha de Biden e por outros de que ele estaria ecoando Adolf Hitler.

“O que está acontecendo é muito preocupante. Suas ações estão prejudicando nossa nação. É uma realidade que eles estão prejudicando a essência do nosso país. Infelizmente, eles estão destruindo nosso país. Não estão contentes quando critico isso”, disse Trump. “E para deixar claro, nunca li o livro ‘Mein Kampf’.”

Para os detratores de Trump, a decisão do Colorado sinaliza que o sistema jurídico está finalmente a começar a responsabilizar o antigo presidente pelos seus esforços para anular a derrota eleitoral em 2020 e pelo ataque ao Capitólio dos EUA que se desenrolou em 6 de Janeiro de 2021.

O deputado Adam Schiff, um democrata da Califórnia que liderou o primeiro impeachment da Câmara contra Trump, expressou sua opinião sobre a responsabilidade de incitar uma insurreição, afirmando que já era esperado.

A decisão de terça-feira pode ajudar Trump a ganhar novamente a eleição, já que encoraja seus apoiadores que acreditam que os processos criminais contra ele são injustos e uma das principais razões para ele voltar ao poder. Os aliados de Trump se opuseram à decisão do Colorado, defendendo-o como fizeram nas outras acusações criminais deste ano.

“Os democratas estão com tanto medo de que o presidente Trump vença em 5 de novembro de 2024 que estão tentando ilegalmente retirá-lo das urnas”, disse a deputada Elise Stefanik, de Nova York, a terceira republicana da Câmara, em um comunicado.

Até mesmo o antigo governador de Nova Jersey, Chris Christie, que é um destaque republicano contrário ao Trump nas eleições, criticou a escolha do estado do Colorado. Ele expressou aos eleitores em New Hampshire que não acredita que seja algo bom para o país tirar o direito de voto dele através de uma decisão judicial.

O próximo ano pode se tornar um dos mais confusos na história jurídica dos Estados Unidos.

O Supremo Tribunal dos EUA terá de decidir se Trump é elegível para a Casa Branca e se está imune a processos judiciais pelos seus esforços para subverter as eleições presidenciais de 2020.

“É importante enfatizar que as consequências desta noite são significativas e que temos duas questões eleitorais cruciais de Trump chegando ao tribunal. Em breve, eles terão que tomar uma decisão sobre ambos os assuntos.” – comentou Joan Biskupic, analista sênior da Suprema Corte.

O ex-presidente foi indiciado quatro vezes, com julgamentos criminais que podem ocorrer ao mesmo tempo em que ele faz campanha contra o presidente Joe Biden e, potencialmente, luta simultaneamente no tribunal para voltar às urnas.

De acordo com uma pesquisa divulgada pelo The New York Times e Siena College, na terça-feira, não há um candidato na liderança definitiva entre Trump e Biden. Entre os eleitores registrados, Trump tem 46% dos votos, enquanto Biden tem 44%. Entre os eleitores considerados propensos a votar nesta fase inicial, Biden tem 47%, enquanto Trump tem 45%.

Trump quer que a pesquisa do Times/Siena mostre que ele está liderando entre eleitores registrados que não votaram em 2020, o que também é mencionado em outras pesquisas recentes, de acordo com Ariel Edwards-Levy.

Impacto da decisão sem precedentes

Até a decisão do Supremo Tribunal do Colorado, os numerosos esforços conduzidos pelos tribunais para desqualificar Trump das urnas não conseguiram tirá-lo do cargo, uma vez que um tribunal estatal após outro decidiu contra os processos. Mesmo no Colorado, o juiz de primeira instância concluiu no mês passado que Trump se tinha envolvido numa insurreição, mas que a Secção 3 da “proibição insurrecionista” da 14ª Emenda não se aplica à presidência.

A Suprema Corte do Colorado reverteu essa decisão na terça-feira. Agora, com a decisão sem precedentes desse tribunal, a noção de que os tribunais retirarão Trump das eleições em 2024 já não é teórica – é uma possibilidade real.

A maioria do Supremo Tribunal estadual decidiu que o dia 6 de Janeiro foi uma insurreição, afirmam que foi fácil chegar a essa conclusão. O tribunal também concluiu que Trump tinha participado na insurreição e que as mensagens que ele enviou aos seus apoiantes antes do ataque ao Capitólio pediam-lhes para lutarem e que assim o fizeram.

Os quatro juízes destacaram que “não chegaram a essas conclusões de forma precipitada”.

“Compreendemos a importância e a gravidade das questões com as quais lidamos atualmente”, afirmou a maioria do tribunal. “Também entendemos nossa responsabilidade solene de aplicar a lei de forma imparcial, sem sermos influenciados pela opinião pública em relação às decisões que devemos tomar de acordo com a lei.

Os três juízes dissidentes citaram várias razões pelas quais discordavam da maioria, incluindo preocupações com o devido processo legal de que Trump não tenha sido condenado por qualquer crime relacionado com a insurreição. O presidente do tribunal, Brian Boatright, escreveu na sua dissidência que acredita que a lei eleitoral do Colorado “não foi promulgada para decidir se um candidato se envolveu numa insurreição” e disse que teria rejeitado o bloqueio à elegibilidade de Trump.

Trump não é acusado de se envolver numa insurreição no caso federal de subversão eleitoral contra ele, apresentado no início deste ano pelo procurador especial Jack Smith. Mas as acusações relacionadas a 6 de janeiro envolvem muitas das mesmas ações citadas pela maioria do tribunal do Colorado na noite de terça-feira.

O juiz responsável pelo caso de subversão eleitoral de Trump definiu a data do julgamento para 4 de março de 2024. No entanto, essa decisão está suspensa atualmente enquanto o Tribunal de Apelações do Circuito dos EUA de DC avalia se Trump possui imunidade e pode ser julgado. O procurador especial solicitou ao Supremo Tribunal dos EUA que interviesse para acelerar o processo de recurso.

Ainda não se sabe se o julgamento do Trump ou qualquer outra acusação criminal serão avaliadas antes da eleição no próximo ano.

No entanto, o pedido do procurador especial ao Supremo Tribunal dos EUA na semana passada, assim como o plano de Trump de contestar a decisão do Colorado no tribunal mais alto do país, indica que os juízes federais terão um papel importante no futuro jurídico e eleitoral de Trump no próximo ano.

Segundo Biskupic, todos os casos de Donald Trump, tanto os envolvendo política administrativa quanto seus negócios pessoais que foram para o tribunal, são preocupantes. Essa preocupação se dá especialmente porque esses casos irão afetar sua corrida eleitoral.


🔥 Recomendado para voçê 🔥