Internacional

Cachorro militar registrou sons de reféns israelenses mortos por soldados de Israel


Cachorro militar registrou sons de reféns israelenses mortos por soldados de Israel
(Foto Reprodução da Internet)

Três reféns israelenses que infelizmente foram mortos por tropas de Israel em Gaza tiveram suas vozes registradas por uma câmera GoPro presa a um cão militar. O registro foi feito cinco dias antes do trágico ocorrido, segundo um porta-voz das Forças de Defesa de Israel (FDI) na quarta-feira (20).

Segundo o contra-almirante Daniel Hagari, um vídeo foi encontrado pelas FDI na terça-feira (19). O vídeo mostra uma ação militar entre as forças israelenses e militantes do Hamas. Nesse conflito, os reféns estavam detidos. Infelizmente, um cachorro acabou sendo morto durante a ação.

“Podemos ouvir vozes no clipe inegavelmente identificadas como sendo as dos três reféns”, explicou Hagari.

Ele não forneceu detalhes sobre o que os três reféns – Yotam Haim, Alon Shamriz e Samer Talalka – estavam dizendo.

Os militantes que detinham os três homens foram mortos durante os combates, o que parece ter permitido a fuga dos reféns, disse Hagari, citando uma análise inicial do vídeo da GoPro feita pelas FDI. Israel está se recuperando após as FDI admitirem ter matado os reféns na sexta-feira (15). Os três homens foram capturados pelo Hamas durante o ataque terrorista do grupo em 7 de outubro.

No sábado, um oficial das Forças de Defesa de Israel (FDI) contou que o grupo apareceu de um prédio próximo a um grupo de soldados israelenses. Eles estavam sem camisa e seguravam uma bandeira branca, de acordo com a autoridade. O oficial preferiu não revelar sua identidade para falar abertamente sobre a investigação em curso.

Um soldado se viu em perigo e começou a atirar, matando dois homens. O terceiro ficou ferido e se escondeu no prédio. Os soldados israelenses ouviram um pedido de socorro em hebraico e o comandante da brigada ordenou que parassem de atirar. Porém ocorreram mais tiros e o terceiro refém foi morto.

A maneira como as famílias dos reféns mortos receberam a notícia foi variada. Alguns ficaram furiosos, enquanto outros demonstraram perdão.

O pai de Alon, refém assassinado de 26 anos, chamado Avi Shimriz, acusou o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de ser covarde por não ligar ou visitá-lo para oferecer suas condolências.

Em declarações ao Channel 13 News de Israel, Shimriz disse: “O primeiro-ministro não se atreve a fazer uma ligação ? ele não ligou ? e nem viria aqui”, contrastando com o ministro da Defesa, Yoav Gallant, que ele disse havia ligado para ele duas vezes.

Ele expressou profunda frustração ao saber que os soldados israelenses conseguiram matar os combatentes do Hamas que mantinham os três reféns e chegaram tão perto de coletar informações que poderiam tê-los salvado.

“Isso mostra como o erro foi grave. Existe um problema sério aqui”, disse ele. “O atirador não deveria ter disparado e, se ele é realmente um combatente, deveria saber que você só deve apertar o gatilho quando tem certeza de que é um terrorista”.

Shimriz afirmou que os líderes não avisaram os soldados sobre a possibilidade de reféns na região e que as fotos dos reféns deveriam ter sido entregues aos soldados para que pudessem reconhecê-los.

Mas ele reconheceu que as tropas no terreno enfrentaram circunstâncias difíceis. “Não posso reclamar com as nossas tropas porque elas encontraram diversas situações em que [o Hamas] tentou emboscá-las e sofreram perdas. Não quero outro incidente desse tipo em minha consciência”, disse ele.

Na quarta-feira (20), Netanyahu foi visitar a mãe de um dos reféns que morreram, Iris Haim. Ela perdeu o filho Yotam no mesmo incidente. Iris enviou uma mensagem de apoio à equipe envolvida no tiroteio, dizendo que não é culpa deles o que aconteceu.

Ela gravou um áudio para o batalhão em que expressou seu amor e saudade. Também deixou claro que não culpa ninguém, exceto o grupo Hamas, desejando que seu nome e memória sejam apagados.

Haim disse aos soldados para permanecerem seguros, acrescentando: “O que vocês estão fazendo é a melhor coisa possível no mundo para nos ajudar, como povo judeu, e todos nós precisamos que vocês estejam sãos e salvos”.

“Não hesitem nem por um momento, se virem um terrorista, não pensem que mataram deliberadamente um refém, vocês precisam se proteger porque essa é a única forma de nos protegerem”, disse ela, e convidou os soldados para visitarem sua família.

“Queremos ver vocês pessoalmente, abraçá-los e dizer que acreditamos que o que fizeram, mesmo que seja difícil admitir e triste para todos nós, foi provavelmente a escolha certa naquele momento. Nenhum de nós está julgando vocês ou com raiva”.

As Forças de Defesa de Israel afirmaram que o tiroteio ocorrido violou suas regras de combate, e que os soldados responsáveis enfrentarão medidas disciplinares.

O bairro de Shejaiya, localizado em Gaza, tem sido cenário de confrontos intensos recentemente. As Forças de Defesa de Israel (FDI) relatam ter enfrentado emboscadas e ataques de homens armados e até mesmo terroristas disfarçados de civis.

Antes da notícia da morte dos três reféns ser anunciada, Israel disse na sexta-feira que acreditava que 132 cativos permaneciam em Gaza, dos quais 112 ainda estariam vivos.


🔥 Recomendado para voçê 🔥