Internacional

Compreenda a decisão que exclui Trump das primárias no Colorado


Compreenda a decisão que exclui Trump das primárias no Colorado
(Foto Reprodução da Internet)

A Suprema Corte do Colorado decidiu na terça-feira (19) que Donald Trump não pode concorrer nas eleições presidenciais de 2024 por questões constitucionais. Essa decisão é válida apenas para o estado em questão.

O tribunal decidiu que a proibição de pessoas que se opõem ao governo ocuparem cargos públicos, conforme estabelecido na 14ª Emenda da Declaração dos Direitos dos Estados Unidos, se aplica ao comportamento de Trump em 6 de janeiro de 2021, durante a invasão do Capitólio.

Continua depois da publicidade

A decisão de 4 a 3 exclui Trump da votação primária republicana no Colorado, programada para a “Super Terça-Feira” no começo de março do próximo ano.

No entanto, os juízes do estado adiaram a decisão para que Trump possa apelar à Suprema Corte dos EUA. Isso pode permitir que ele participe das eleições primárias do Colorado, a menos que a apelação seja resolvida rapidamente.

Continua depois da publicidade

Em muitos aspectos, a decisão histórica responsabiliza Trump pela tentativa de anular as eleições de 2020 e é uma punição política pelo seu comportamento antidemocrático.

A decisão também foi apoiada por grupos liberais e estudiosos constitucionais de diferentes posições, que defenderam as ações judiciais da 14ª Emenda.

No entanto, Trump conseguiu transformar decisões judiciais desfavoráveis em sucesso nas eleições. Atualmente, ele está em uma posição mais favorável para derrotar o presidente Joe Biden do que estava há um ano, antes de enfrentar acusações criminais em quatro áreas.

Além disso, o empresário e seus aliados do Partido Republicano entraram em ação logo após a decisão da Suprema Corte do Colorado, se posicionando como vítima e protestando contra a decisão.

Trump se envolveu em insurreição, diz tribunal

O tribunal mais importante do Colorado concordou com o juiz de primeiro grau de que o ataque ao Capitólio dos EUA em 6 de janeiro foi uma rebelião e afirmou que Trump teve participação nessa rebelião.

Esses eram pontos fundamentais que os adversários de Trump precisavam manter para que ele fosse removido da votação, em grande parte porque o texto da 14ª Emenda não define realmente uma “insurreição” nem explica o que significa “envolver-se em uma” insurreição.

Os juízes também concluíram que o discurso de Trump em 6 de janeiro não foi amparado pela Primeira Emenda, que aborda a liberdade de expressão.

Trump tentou levar esse argumento aos tribunais estaduais e federais, mas não obteve sucesso. Os tribunais concluíram que ele incitou a violência ao dizer para seus apoiadores irem até o Capitólio e lutarem com determinação para retomar o país.

“O presidente Trump incitou e encorajou o uso da violência e de ações ilegais para perturbar a transferência pacífica de poder”, escreveram os juízes no parecer de 134 páginas.

A proibição insurrecional é uma medida aplicada ao ex-presidente Trump.

No entanto, os juízes discordaram da juíza de primeira instância em um ponto importante, mudando sua polêmica decisão de que a “proibição insurrecional” é aplicável a todos os cargos, menos a Presidência.

Na seção 3 da 14ª Emenda dos EUA, está escrito que aqueles que se rebelam e quebram o juramento não podem ocupar cargos no governo dos EUA ou em qualquer estado, como senadores, deputados ou eleitores presidenciais. No entanto, essa emenda não menciona especificamente a Presidência.

Essa imprecisão textual é a razão pela qual a juíza de primeira instância manteve Trump elegível para 2024. Mas o tribunal superior discordou, e esse foi o eixo da decisão de desqualificar Trump.

É mais provável que a Presidência não esteja incluída no caso mencionado, pois ela é considerada como parte do governo. O tribunal afirmou que considerar a Presidência como algo diferente de um cargo do governo vai contra a ideia de que todos os funcionários, inclusive o presidente, estão a serviço do povo.

Decisão final será da Suprema Corte dos EUA

A decisão do tribunal estadual não é final. O caso será enviado para a Suprema Corte dos Estados Unidos.

E ninguém sabe ao certo como os juízes vão lidar com o caso. Com que rapidez eles decidirão aceitar o recurso? Eles farão argumentação oral? Com que rapidez eles emitirão uma decisão final?

As respostas a essas perguntas irão afetar o calendário político, pois o sistema eleitoral do Iowa começará as primárias republicanas em menos de um mês.

Com a inesperada decisão do Colorado, as coisas mudaram. Trump agora está em desvantagem e precisa que o Supremo Tribunal do país restabeleça a sua posição nas eleições.

Isso significa que ele vai pedir à Suprema Corte dos EUA, que tem maioria absoluta conservadora e com três juízes que o ex-presidente nomeou, que mantenha viva a sua campanha.

“Esta é uma decisão extraordinária e sem precedentes”, disse Derek Muller, especialista em direito eleitoral da Faculdade de Direito Notre Dame, que apresentou uma petição no caso que forneceu uma análise jurídica das principais questões no processo, mas foi neutro quanto à elegibilidade de Trump.

Isso coloca em risco legal sério toda a campanha eleitoral de Trump. E vão pedir à Suprema Corte que analise este caso que afeta as eleições, algo que acredito que ela tenha pouco interesse em julgar”.

Decisão pausada é uma boa notícia para Trump

De acordo com a decisão, se Trump apresentar um recurso na Suprema Corte até 4 de janeiro de 2024, o que provavelmente ocorrerá, então a decisão será adiada até que a corte decida se aceita o caso ou não, e, se aceitar, até que tome uma decisão final.

No dia 4 de janeiro, a secretária de estado do Colorado, Jena Griswold, precisa certificar a lista de candidatos para as primárias presidenciais republicanas que ocorrerão em 5 de março.

Griswold, membro do Partido Democrata, falou sobre acreditar que Donald Trump incentivou a insurreição, mas não indicou sua posição sobre se o empresário é elegível segundo a 14ª Emenda.

Ela ressaltou na terça-feira, em entrevista ao programa “Anderson Cooper 360”, que “seguirá qualquer decisão judicial em vigor”.

Os juízes do Colorado disseram que Griswold precisará colocar o nome do presidente Trump nas eleições primárias presidenciais de 2024, até que a Suprema Corte emita uma outra ordem.

Mesmo que ele concorra nas eleições primárias e seja escolhido pelo Partido Republicano, ele ainda pode ser excluído das eleições gerais. Todos os outros estados estarão acompanhando de perto o desenrolar das eleições.

Resultado apertado abre caminho para vitória de Trump

As divergências do tribunal do Colorado, que decidiu com uma divisão forte de 4 votos a 3, podem dar base jurídica para Trump anular a medida se ele levar o caso à Suprema Corte dos EUA.

Um juiz decidiu que um candidato não pode ser excluído com base na 14ª Emenda se não for condenado por insurreição, um crime federal. Trump enfrenta outras acusações criminais, mas não de insurreição, no caso de subversão eleitoral federal.

Outro juiz levantou questões sobre o devido processo e disse que apenas o Congresso tem o poder de fazer cumprir a proibição. Trump já levantou alguns desses argumentos no caso.

Embora o ex-presidente tenha criticado o tribunal por ter apenas juízes nomeados por democratas, a sua equipe também está “acolhendo” os dissidentes. Os pontos de discussão divulgados pela campanha de Trump na terça-feira destacaram um comentário contundente do juiz Carlos Samour.

“Trabalho no sistema judicial há 33 anos e o ocorrido aqui não se parece com nada que já tenha presenciado em um tribunal”, escreveu Samour em sua opinião divergente.

Os juízes do Colorado estavam cientes de que sua decisão era histórica.

A maioria concordou imediatamente que o caso os fez enfrentar uma situação nova e que o caso tem vários problemas à primeira vista.

Na verdade, os juízes nunca deram sua opinião sobre essas questões, pois nunca foi necessário. Nunca houve uma chance antes de um presidente que se rebelou concorrer novamente ao cargo.

Este caso é um lembrete de como Trump foi o primeiro presidente dos Estados Unidos a tentar se manter no poder mesmo após perder a eleição.

“Não chegamos a estas conclusões levianamente. Estamos conscientes da magnitude e do peso das questões que agora temos diante de nós”, pontuou o documento da decisão majoritária.

“Estamos cientes de nossa responsabilidade de cumprir a lei de forma imparcial e corajosa, sem nos deixarmos influenciar pela opinião pública em relação às decisões que precisamos tomar”, concluíram.


🔥 Recomendado para voçê 🔥