Brasil

Especialista afirma que há muito tempo a sociedade pede pela regulamentação da licença-paternidade


Especialista afirma que há muito tempo a sociedade pede pela regulamentação da licença-paternidade
(Foto Reprodução da Internet)

O Supremo Tribunal Federal já tem dois votos para reconhecer omissão do Congresso Nacional ao não regulamentar uma lei sobre a licença-paternidade.

O consultor Leandro Ziotto, especializado em parentalidade, gênero e Economia do Cuidado e membro da Coalizão Licença-Paternidade, diz que é muito importante ter esse registro histórico. Essa é uma demanda da sociedade há bastante tempo.

“Na Constituição, há uma sugestão de 5 dias, mas é pouco e ainda não foi regulamentada”, afirmou.

Os dois votos do Supremo até aqui propuseram definir um prazo de 18 meses para que o Legislativo aprove uma norma sobre o tema.

“Se este entendimento for confirmado, a Assembleia Legislativa vai se reunir com representantes da sociedade civil para conversarmos sobre o prazo ideal, quem tem direito, quem paga”, explicou.

O especialista acredita que a ideia de que a mãe é a única responsável pelo cuidado dos filhos é ultrapassada. Ele defende que o ideal seria ter uma licença parental, independente da estrutura familiar.

Casal gay consegue seis meses de licença-paternidade em Pernambuco

Casal gay em Pernambuco tem direito a seis meses de licença-paternidade

“É necessário aumentar a licença-paternidade para equipará-la à licença-maternidade, que deveria ser de pelo menos 30 dias. Cinco dias é muito pouco, mesmo sendo menos tempo do que o Carnaval.”

Ele lembra que “a OMS prega que qualquer criança para ter desenvolvimento saudável precisa de seis meses de aleitamento”, portanto, “no mundo, deveria ser licença-maternidade e paternidade de 6 meses”.


🔥 Recomendado para voçê 🔥