Saúde

Final de década, teste de vacina contra HIV pára após maus resultados


Final de década, teste de vacina contra HIV pára após maus resultados
(Foto Reprodução da Internet)

Um teste de vacina contra o HIV parou de ser realizado depois de ter resultados desanimadores, sendo chamado de “último recurso” desta década.

O estudo PrEPVacc estava testando duas vacinas experimentais contra o HIV e uma nova forma de PrEP (profilaxia pré-exposição). Foi liderado por pesquisadores africanos com o apoio de cientistas europeus.

Continua depois da publicidade

No entanto, a equipe de liderança da PrEPVacc informou que suspenderam a parte da vacina do teste, pois ela não se mostrou eficaz na prevenção do HIV. No entanto, eles recomendam que a parte oral da PrEP continue a ser testada, pois não há preocupações com sua segurança.

O falha das vacinas em teste é um grande problema para os médicos, que têm enfrentado diversas dificuldades desde o início dos testes da vacina contra o HIV, há 36 anos.

Continua depois da publicidade

Embora as novas infecções por HIV tenham diminuído drasticamente desde o seu pico em meados da década de 1990, os dados mais recentes da UNAIDS revelam que 39 milhões de pessoas vivem atualmente com a infecção em todo o mundo. Mais de metade são mulheres, sendo as mulheres jovens e as adolescentes (15-24) responsáveis ​​por 77% dos novos casos na África Subsariana.

Ainda não existe uma vacina eficaz contra o HIV disponível para a comunidade médica. Antes deste estudo, um dos pesquisadores alertou que não é provável que outro estudo semelhante seja realizado até pelo menos 2030.

O estudo PrEPVacc examinou 1.500 voluntários nas África do Sul, em Uganda e na Tanzânia. A maioria dos participantes, 87%, eram mulheres.

Após analisar os resultados, o líder da pesquisa PrEPVacc, Pontiano Kaleebu, afirmou que precisamos considerar novas abordagens e tecnologias de vacinas, assim como a necessidade de novos líderes.

“O desenvolvimento de uma vacina que previna o HIV é um objetivo fundamental para África, que deve ter ainda maior urgência agora que não há nenhuma vacina contra o HIV testada quanto à eficácia em qualquer parte do mundo”, apelou Kaleebu.

Esperanças pela vacina

O diretor da empresa PrePVacc, Dr. Eugene Ruzagira, concordou, dizendo que, embora haja desafios científicos significativos, ele tem muita esperança de que, um dia, teremos uma vacina contra o HIV.

“A pesquisa importante como a PrEPVacc nos ajuda a progredir e os participantes estão dispostos a nos acompanhar e a ter um impacto na saúde de suas comunidades”, disse Ruzagira em um comunicado. Ele acrescentou que esse estudo permitiu aos pesquisadores estabelecer boas relações com comunidades essenciais.

Luwano Geofrey, o primeiro participante do teste em Masaka, Uganda, disse no início do ano que teve que ser muito corajoso para participar da pesquisa.

Ele disse que no início sua comunidade foi muito desinformada, e também enfrentou estigmas sociais que complicaram a situação. Os pesquisadores afirmam que participantes como Geofrey agora são muito apreciados por suas comunidades.

Segundo os investigadores, os resultados completos da componente vacinal do ensaio PrEPVacc deverão ser publicados no verão de 2024.


🔥 Recomendado para voçê 🔥