Internacional

Netanyahu tem três tarefas: acabar com o Hamas, salvar os reféns e vencer a reeleição


Netanyahu tem três tarefas: acabar com o Hamas, salvar os reféns e vencer a reeleição
(Foto Reprodução da Internet)

Existem muitas críticas a Israel por sua abordagem na guerra contra o Hamas em Gaza, vindas de organizações como a ONU, ONGs e até mesmo influenciadores. O presidente dos EUA, Joe Biden, também condenou os bombardeios indiscriminados.

Mas Israel segue irrepreensível em busca de seus objetivos de guerra declarados:

  • • Acabar com o Hamas para evitar que ocorram novamente massacres como o de 7 de outubro.
    • Libertar os reféns mantidos pelo Hamas.

Existem outros propósitos, como fazer os adversários de Israel pensarem duas vezes antes de atacar e assegurar aos cidadãos israelenses que o Estado tem capacidade para protegê-los.

Nos últimos dias, um terceiro objetivo apareceu: garantir a reeleição do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Começou há cerca de uma semana, quando cresciam os apelos dos EUA para que a Autoridade Palestiniana (AP), que administra partes da Cisjordânia ocupada por Israel, assumisse o controle da Gaza no pós-guerra. Resposta de Netanyahu: Não sob minha supervisão.

Durante conversas com os legisladores, o primeiro-ministro disse que os Acordos de Oslo, que são acordos entre Israel e os palestinos para discutir a criação de um Estado palestino, têm sido tão prejudiciais em termos de mortes quanto o Massacre do Hamas em 7 de Outubro, embora em um período mais longo. Ele também reiterou seu compromisso em honrar esses acordos.

Mais tarde naquele dia, Netanyahu – cuja reputação como “Sr. A segurança” está ruim com uma queda na popularidade – voltou.

O seu embaixador no Reino Unido foi ainda mais claro: quando a Sky News perguntou a Tzipi Hotovely se Israel apoiava uma solução de dois Estados, ela respondeu: “A resposta é absolutamente não”.

Por que se concentrar em um acordo de 30 anos que não deu certo? De acordo com Yohanan Plesner, presidente do Instituto de Democracia de Israel (IDI), todos os judeus israelenses concordam que é necessário desmantelar o Hamas.

“Bibi [Netanyahu] precisa encontrar uma nova razão de ser para permanecer relevante. Então ele está voltando ao processo de Oslo”.

“Ele está começando a duvidar de qualquer solução que coloque a segurança em risco e está tentando se apresentar como o protetor desses interesses. É uma jogada política inteligente.”

O futuro de Netanyahu

Na terça-feira, o IDI de Plesner publicou uma pesquisa que concluiu que quase 70% dos israelenses querem ver o país realizar novas eleições assim que a guerra com o Hamas terminar.

Netanyahu está mais preocupado com o fato de que, de acordo com o inquérito, 31% dos seus eleitores votarão em um partido diferente na próxima vez (16% deles votarão em um bloco político totalmente diferente).

Netanyahu, é claro, já foi descartado antes. Ele sempre provou que os que duvidavam estavam errados.

Apesar de ter sido culpado pelos erros que levaram ao evento do 7 de outubro durante o seu comando, ele parece não conseguir cumprir o objetivo central de trazer os reféns de volta para casa.

Durante a trégua de uma semana do seu governo com o Hamas, 110 reféns foram libertados e 240 prisioneiros palestinianos foram libertados. Mas apenas uma tentativa de resgate – a da soldado Ori Megidish – teve sucesso.

Foram feitas várias tentativas para resgatar outras pessoas, porém todas elas fracassaram e isso resultou na trágica morte de três reféns israelenses.

Antes do desastre, o IDI descobriu que somente um terço dos israelenses acreditava na recuperação dos reféns israelenses restantes, que são mais de 100.

Essa tragédia pode dificultar a capacidade de Netanyahu de cumprir seu objetivo de guerra de destruir o Hamas.

No sábado à noite, muitas pessoas protestaram na praça de Tel Aviv. Pediram que o primeiro-ministro e seu governo fizessem mais para trazer seus familiares de volta para casa, em vez de lutar contra o Hamas.

Em última análise, Netanyahu provavelmente fará o que lhe der a melhor chance de permanecer no cargo.

Ele acredita que possui um papel muito importante na história de Israel e do Judaísmo. O seu legado é também extremamente valioso. E ele não deseja que seu legado fique marcado pelo ocorrido no ataque de 7 de outubro.


🔥 Recomendado para voçê 🔥