Internacional

O chefe Houthi adverte que atacará navios militares dos EUA se Washington responder contrariamente ao Iêmen


O chefe Houthi adverte que atacará navios militares dos EUA se Washington responder contrariamente ao Iêmen
(Foto Reprodução da Internet)

O líder do grupo houthi do Iêmen, que é apoiado pelo Irã, afirmou na quarta-feira (20) que seu grupo irá disparar mísseis contra navios de guerra dos Estados Unidos se os EUA se envolverem mais nos assuntos do Iêmen ou atacarem o país.

Abdel-Malek al-Houthi também alertou outros países a não se envolverem em uma operação conjunta liderada pelos EUA na terça-feira, com o propósito de proteger o comércio no Mar Vermelho após um aumento nos ataques dos houthis a navios.

Os Houthis, que dominam grandes áreas no Iêmen após muitos anos de guerra, estão lançando drones e mísseis contra navios internacionais no Mar Vermelho desde o último mês. Eles afirmam que estão agindo em resposta aos ataques de Israel na Faixa de Gaza.

Abdel-Malek al-Houthi declarou em um discurso na televisão que se os Estados Unidos se envolverem mais, os houthis atacarão seus navios de guerra e interesses com mísseis.

Ele afirmou em um discurso na televisão que se os Estados Unidos atacarem nosso país, iremos atacá-los também. Vamos mirar nossos mísseis, drones e operações militares nos navios de guerra, interesses e navegação americanos.

A crise no Mar Vermelho aconteceu por causa do conflito entre Israel e o grupo islâmico palestino Hamas, que governa Gaza. Esse é o mais recente conflito no Oriente Médio que envolve os EUA e seus aliados, e o Irã, uma potência regional, juntamente com seus representantes da milícia árabe.

A guerra começou em 7 de outubro, quando membros do Hamas atravessaram a fronteira de Gaza em direção ao sul de Israel. De acordo com as autoridades israelenses, os militantes mataram cerca de 1.200 pessoas, sendo a maioria civis israelenses e estrangeiros.

Israel atacou Gaza como resposta e alega que o objetivo é neutralizar o grupo Hamas. Infelizmente, quase 20.000 palestinos morreram como consequência desses bombardeios, de acordo com as autoridades de saúde locais.

Grupos do Irã, como os Houthis e o Hezbollah, têm lançado foguetes contra Israel desde o início do conflito. Os Houthis, em particular, estão aumentando seus ataques no Mar Vermelho, ameaçando atingir todos os navios que seguem em direção a Israel e alertando as companhias de navegação para evitarem os portos israelenses.

Os ataques atrapalharam uma rota comercial importante entre Europa, América do Norte e Ásia pelo Canal de Suez. Isso fez com que o transporte de contêineres ficasse mais caro, já que as empresas tiveram que optar por rotas mais longas e alternativas para enviar seus produtos.

Apelidada de “Operação Guardião da Prosperidade”, Grã-Bretanha, Bahrein, Canadá, Dinamarca, França, Itália, Holanda, Noruega, Seicheles e Espanha, juntamente com os EUA, conduzirão patrulhas conjuntas no sul do Mar Vermelho e no adjacente Golfo de Aden.

“Enquanto os americanos quiserem entrar numa guerra direta connosco, devem saber que não somos aqueles que os temem e que estão a enfrentar um povo inteiro”, disse al-Houthi.

Ele alertou os americanos contra o envio de soldados ao Iêmen, dizendo que eles “enfrentariam algo mais duro do que o que enfrentaram no Afeganistão e o que sofreram no Vietnã”.


🔥 Recomendado para voçê 🔥