Internacional

Trump é mais poderoso do que parece contra outros republicanos


Trump é mais poderoso do que parece contra outros republicanos
(Foto Reprodução da Internet)

Donald Trump segue liderando com folga as pesquisas para a indicação presidencial do partido republicano. Mas seus oponentes preferem não atacá-lo no momento, talvez para primeiro eliminar os demais concorrentes antes de confrontar diretamente o ex-presidente dos Estados Unidos.

O problema desse plano é que ele não funcionará. Os rivais de Trump têm de fazer algo diferente para o derrubar. Ao contrário de 2016, quando havia sinais de que poderia ser derrotado num confronto individual (o que nunca aconteceu), Trump tem mais vantagens desta vez.

Ele teve um aumento de mais de 40 pontos em relação aos seus rivais principais, Ron DeSantis e Nikki Haley, a nível nacional. Além disso, ele recebe mais de 60% dos votos republicanos. Mesmo que seus concorrentes se unissem em um supercandidato, Trump ainda teria o apoio da maioria.

Isso é bem diferente da situação em 2016. Naquela época, Trump estava recebendo cerca de 25% a 30% dos votos do Partido Republicano em todo o país.

Além disso, não está claro se algum dos rivais de 2024 é capaz de unir os eleitores republicanos que não apoiam Trump nas primárias. Uma pesquisa recente da Marquette University Law School pode ajudar a investigar essa questão.

Trump obteve 57% dos votos nesta pesquisa nacional quando comparado com todos os seus concorrentes republicanos. Ao enfrentar apenas DeSantis, o apoio de Trump saltou para 65%. Quando comparado apenas com Haley, ele obteve 70% dos votos.

Não vimos tais números em 2016, quando Trump estava a caminho de garantir a nomeação do Partido Republicano. Ainda em março de 2016, uma sondagem da ABC News/Washington Post revelou que Trump estava atrás de Marco Rubio (51% a 45%) e Ted Cruz (54% a 41%) numa hipotética sondagem individual.

Antigamente, fazia sentido os oponentes de Trump esperarem ser os últimos candidatos a enfrentá-lo. Porém, atualmente, isso não é mais relevante.

Isso também se aplica quando olhamos para as pesquisas estaduais iniciais, mesmo que Trump seja menos popular lá do que a nível nacional. A maioria dos que participam das convenções republicanas ou dos eleitores nas primárias escolhem Trump como sua primeira ou segunda opção, tanto no Iowa (55% na última pesquisa do Des Moines Register) quanto em New Hampshire.

O fato é que o apoio a Trump entre os eleitores republicanos é na verdade mais forte do que os seus principais rivais poderiam imaginar. Uma das melhores maneiras de avaliar o teto de apoio de um candidato é observar suas classificações de “favorável” e “muito favorável”. Este último, especialmente, é importante nas primárias, quando a maioria dos candidatos partilha o mesmo rótulo partidário que os eleitores e são apreciados.

Na pesquisa Marquette do mês passado, 51% dos republicanos classificaram Trump como “muito favorável”. Recentemente, em nível nacional, sua classificação média entre os republicanos como “favorável” foi de 76%.

Nenhum outro candidato republicano tem um índice de apoio tão alto entre a base do partido. Nenhum outro republicano tem uma classificação “muito favorável” que seja nem metade da de Trump na pesquisa Marquette.

Estes números continuam altos em Iowa e New Hampshire. Trump tem as melhores avaliações positivas de qualquer candidato entre os eleitores do Partido Republicano.

As avaliações de Trump eram muito piores nesta fase da eleição de 2016. Sua popularidade era cerca de 15 a 20 pontos mais baixa nas pesquisas. E as avaliações muito positivas eram de 20 a 30 pontos mais baixas.

É difícil acreditar, mas uma pesquisa realizada pela Bloomberg em novembro de 2015 mostrou que outros candidatos republicanos, como George W. Bush, eram mais favoráveis e populares entre os eleitores republicanos. Na realidade, Trump teve classificações mais baixas do que Paul Ryan e Mitt Romney.

No último debate republicano, que Trump não participou, os rivais do partido em 2024 pareciam mais concentrados em criticar uns aos outros do que em confrontar Trump. Essa dinâmica tem se repetido nos quatro debates republicanos deste ano, exceto por Chris Christie.

Como resultado, Trump fortaleceu sua liderança em todo país, e não há indícios de afastamento do líder.

Agora, não está claro se ir atrás de Trump diretamente funcionaria para seus principais rivais. Christie, que tem criticado consistentemente Trump, tem índices de terríveis entre os republicanos. Esta pode ser parte da razão pela qual os adversários de Trump parecem permitir-lhe navegar ileso.

Está claro que os concorrentes de Trump não estão conseguindo resultados com suas estratégias atuais. Eles precisam tentar algo novo.

Faltando cerca de um mês para as convenções partidárias de Iowa, o tempo está acabando para que eles escolham um candidato que concorra contra Trump.


🔥 Recomendado para voçê 🔥